Essas coisas, logo aí embaixo... Palavras ditadas por um Ghost Writer.

24 de mai de 2008

A História em seu devido lugar

Garotos descontentes com a aula de biologia [abração pra profª Ilaine!] e com colegas chatos não podiam se manifestar. Criam os Comentários Escritos que, até hoje, sofrendo algumas alterações, mostra opiniões explosivas, humor, SARCASMO e simplesmente a VERDADE ABSOLUTA sobre os fatos! Leia o CE [Marca Registrada] e faça um bem pra você mesmo! Rá!

Comentários Escritos [vulgo CE]. Esse nome tem uma história... Eu poderia simplesmente dizer “eu cunhei o termo”, mas as coisas não são tão simples de explicar, assim. Nem seria totalmente verdadeiro.

Como esta[va] escrito na descrição do blog, tudo começou nas aulas de biologia do Ensino Médio, lá nos idos de 2003 [saudoso, mas nem tanto, hahahaha!!]. O Eduardo, o Rodrigo e Eu começamos, meio que de frescura, a rabiscar uns comentários sobre as aulas numas folhas arrancadas dos cadernos. Éramos, como viemos a ser definidos por uma professora do segundo ano do Ensino Médio [heheehehe!!!], muito “auto suficientes”. Não nos misturávamos ao resto da turma, e nem tínhamos essa pretensão.

Sobrava pra todo mundo: a[s] colega[s] gostosa[s], a[s] professora[s] chata[s], a[s] morte[s... OPS!! Sorry, erramos. Chega de tanto “s”.] do Charles Bronson e, também, para os colegas chatos [esse tipo de gente que também me incomoda muito lá “Numa Grande Instituição Jesuíta de Ensino 'Superior' do Vale dos Sinos”]. Quando algum colega notava [e tentava ler] nossos escritos, não entendia nada, geralmente. Nós também não fazíamos questão que alguém entendesse.

Surgiu, então, a idéia: batizar o nosso “folhetim” [quase diário, hehehehe] de Comentários Escritos ou, como também foi descrito diversas vezes, “Koment... Escr...”, “CE”.

Em 2006, terminado o Ensino Médio – onde nós três nos conhecemos e formamos o CE – veio o que me parece uma evolução natural para o CE se transformar num blog [coletivo]. Desde então passamos por uns três endereços [esse, depois esse e, por último, o Blogspot mesmo...]. Não sei como o Blogspot ainda aguenta esse blog... Os blogs do Uol e do Terra “pediram penico”, hahaha!!

Depois de um bom período em que o Rodrigo e Eu nos revezamos nas postagens, tendo o Sr. Eduardo como participante esparso, assumi o leme dessa barca. Após esse momento, há mais ou menos 1 [Hum] ano, só eu posto nessa querida bagaça. Com isso, o blog tomou um tom muito mais pessoal. Um exemplo disso é que surgiram até os “Rascunhos [Pseudo] Poéticos”, coisa até então improvável nos meus escritos, tão cáusticos – mas eu não larguei mão dos comentários ácidos, só estou dando vazão à outros segmentos criativos, hehe!

Pois bem, como ato final nesse processo, escrevo esta breve história, pra deixar marcada a história disso tudo. A partir de agora, teremos mudanças na página do blog, e as tais “características pessoais” serão assumidas integralmente. Obrigado à todos que fizeram o CE chegar até aqui. Daqui em diante eu assumo, oficialmente, as pontas por aqui!

Nos próximos dias, pra coroar as mudanças, postarei minha 2ª [eu disse SEGUNDA!!] entrevista feita como jornalista[-estudante]. Quatro perguntinhas feitas para o Mini, da Walverdes, banda da qual eu gosto “pacaraio”.

Por hoje é só, pessoal.

23 de mai de 2008

Esses versos aí embaixo...

... Agrupados sob o título "Mais um texto sobre o Dia das Mães", formam MEU primeiro texto publicado! Rá!

Acontece que eu fui um dos colaboradores na revista "Tá Combinado?" [blog da revista aqui]. Engraçado é que a revista [que tem meu texto publicado] circula lááááá em Uruguaiana, uma cidade da qual eu só conheço "de ouvir falar".

A responsável pela revista, que é de lá, é a Bibiana, colega que mereceria um parágrafo a parte, mas deixa quieto, por enquanto...

O fato, no momento, é que eu estou contente [feliz, alegre?! Tão me achando com cara de quê?! Esses são adjetivos que eu não atiro por aí, "a 3 por 2", heheehe!] por este fato [ter um texto numa publicação].

Acho que, sendo os textos uma expressão que busca tocar "o emocional" das pessoas, cumpri meu papel com esse texto. Uma colega de trabalho, que é mãe, se emocionou ao ler o que eu escrevi.

Quem diria, um andróide emocionando as pessoas, hein?! Até me assusto com isso.

Mais um texto sobre o Dia das Mães

Ora, mãe, eu poderia vir aqui e dizer – como todo mundo faz nessa época – que eu te adoro, tu é ótima e tal, e que todas as mães são essenciais na vida dos filhos.

Poderia falar o quão desnutrido eu poderia ser se não fosse tua comidinha feita de forma especial e com sabor inconfundível.

Nem vou falar das madrugadas em claro – Ah, as madrugadas em claro! – em que tu sofria junto comigo, por causa da MINHA rinite alérgica ou de qualquer outra doença que faz a gente acordar de madrugada pra tomar banho frio.

Nada disso. Na verdade, nessa data querida, vim denunciar-te! Tu e as outras!

Vocês têm vantagens que nós, filhos, não temos. Sabem o que vai acontecer e, quando não sabem, fazem acontecer.

Quando tu me diz “Leva o teu casaco” e eu vejo o sol castigar o dia lá fora.

É líquido e certo, pode saber, o tempo muda assim que eu coloco os pés na rua!

Se eu chego em casa, a passos leves, de madrugada, e tu nem vê como fui dormir, mesmo assim, no outro dia, tu consegue fazer um relatório minucioso da minha bebedeira e da minha chegada em casa.

Você, e todas as mães têm uma linha direta com o “Cara Lá de Cima”. Eu sei! Vocês tem informações privilegiadas e, quando isso não basta, vêem suas sentenças se tornarem realidade, com certeza por interferência “Dele”.


Mas seguinte, apesar de tudo isso, valeu.

Valeu por utilizar esses dons em favor de nós, pobres e desfavorecidos filhos.

16 de mai de 2008

Jornalismo.Rock.Chinelagem

Yeah! Neste sábado [popular AMANHÃ!] vou comparecer ao Texugo Rock Festival, em Sapucaia.


Pra começar a jornada da melhor maneira possível, com “emoções-mil”, [alguns dos] meus amigos acabaram desistindo de me acompanhar a Sapucaia, por motivos que eu não tenho a MENOR idéia.


Somando-se a isso, temos o “interessante” fato de que esta “Testemunha Ocular da Notícia” não [eu disse NÃO!!] faz a mínima idéia de como se dirigir ao local do festival, que terá bandas “fodonas pra caralho” como Zefirina Bomba, Walverdes e Laranja Freak! Alguém aí sabe como chegar às redondezas da prefeitura de Sapucaia?!



O que tem de jornalismo nisso tudo, Thiago? Sim, além de ir até lá, ver as bandas e encher a cara, vou fazer uma matéria para uma das disciplinas que curso lá “Numa Grande Instituição de Ensino 'Superior' do Vale dos Sinos”.


Sim! Mas, infelizmente, tenho certeza de quê não vou poder dar vazão à toda a minha veia “GONZO” de jornalismo. Mas sempre há alguma brecha editorial, e a chinelagem transpassará opiniões alheias e professores amantes do “lead telegráfico”!


E ainda tem a AdeNóide, tocando em São Leopoldo na mesma noite. Infelizmente não vou poder acompanhar a apresentação dos caras dessa vez, como já é de costume...



Então... Até lá, pra quem se aventurar pelo lugar. E me desejem sorte, afinal, dessa vez, não pode acontecer comigo aquele tradicional “não lembro de 90% da noite”!!!


Heheheeheheehe.MUDANDO DE ASSUNTO: Em breve, escrito por este que aqui destila sarcasmo e palavras bonitas, um “Tratado sobre Racionalidade no Ambiente de Trabalho”. Aguardem...

14 de mai de 2008

Amigos, força do hábito...


"Esporte de jornalista é procurar
crase em "a" alheio!"

Olha só, no que resulta uma caminhada básica antes de ir pro estágio. Paranóias gramaticais.

8 de mai de 2008

Da série "Frases Acachapantes":

“A burrice só mata pessoas inteligentes. Os idiotas são imunes
ao próprio veneno.”
.
Afirmação construída após muita observação sociológica, embasada em diferentes cenários sociais e blá blá blá... E de uma semana de trabalho estressante. Sim, o trabalho, que há seis meses atrás servia quase [QUASE!!] como um refúgio, um elo de ligação com o mundo real, e tal..
.
"Cerveja como são as coisas..."